6 Dicas para Criar um Vilão para sua Campanha de RPG

6 dicas para criar um vilão top

Fala mestre! Na matéria de hoje (que é MUITO importante) vou trazer para vocês as melhores dicas na hora de criar um vilão apelão.

O cara que faz o herói pensar duas vezes antes de combatê-lo e que conquista mais do que apenas o medo, mas também a admiração.

Primeiro de tudo seu vilão tem que seguir alguns passos, para se tornar memorável e ” querido ” na mesa, ele deve ter a mesma profundidade que os personagens dos jogadores, tendo um background bem elaborado e uma personalidade condizente com ele.

1. Tenha um ideal

Dê a ele um pilar, uma meta, algo que o mova, ele passou por uma tragédia familiar e busca vingança? Ou apenas se considera superior ao resto destruindo tudo ao seu caminho? Um vilão TEM que ser o herói da própria história, dê a ele o objetivo certo, que faça as pessoas pensarem no que aconteceria se ele conseguisse, um vilão que é mal apenas por ser mal é genérico e desastroso.

Quanto mais humanizado mais os jogadores sentem empatia por ele, é o tipo de vilão que faz você pensar para quem vai torcer de verdade, e é isso que faz ele ser memorável. Porém cuidado ao dar um objetivo muito pessoal que não tenha muito impacto ao mundo, isso diminuirá a ameaça que ele representa.

Criando Antagonistas

2. Ele deve ser tão bom quanto os jogadores

Ele tem que machucar, tem que ser uma ameaça real, alguém que os jogadores saibam que não se pode simplesmente bater de frente e lutar de qualquer jeito, como se fosse apenas mais um Boss final, pense em combos/multiclasse, gaste um bom tempo na ficha, não adianta ele ser tão carismático, ele tem que ser poderoso também, então demonstre o poder dele antes, seja através de histórias ou que os jogadores o vejam em ação antes de terem de lidar com ele, faça planos mirabolantes que Dêem gosto de ver funcionar. Ele tem que ter um impacto no mundo ao redor, as ações dele tem que ter consequências para todos.

3. Ele deve ser admirado

Ele tem que causar mais do que medo por onde passa, lembra que ele deve ser o herói da própria história? Então, ele não deve ser apenas um herói para ele mesmo, ele precisa ter “fãs” ou até mesmo seguidores, muitas vezes o vilão é apenas o herói que faz o que precisa ser feito, por isso são chamados de antagonistas, e não vilões apenas, ele deve ser inteligente, saber se expressar bem e impor respeito apenas com sua presença, ter algo que o destaque do resto.

4. Ele tem que forçar os jogadores a fazerem escolhas

Um bom vilão não é aquele que fica no final da dungeon com seus lacaios, ou vai até eles na noite de lua cheia. Um bom antagonista faz os jogadores pensar, os força a fazer escolhas, os faz fazer sacrifícios em troca do bem maior, os faz ignora-lo para salvar pessoas e manter sua “honra” ou apenas a sensação de que ainda a possuem, nenhum vilão força bruta é lembrado, ele tem que ser mais do que uma jogada de ataque.

” Vilões não batem palma ou comemoram depois de completarem suas tarefas malignas, são apenas pessoas com problemas lutando para resolvê-los. ”
– Ben Bova

5. Ele tem que ter uma motivação forte

Já falamos sobre o mal apenas por ser mal, ele tem que convencer, tem que dividir opiniões, e é a motivação dele que faz isso, ela vai definir o nível da empatia dos jogadores, o medo e a admiração dos npc’s, essa é a parte mais importante, pense bem em seus argumentos, se dê um tempo para trabalhar no poder de convencimento dele, abuse na interpretação, transmita os sentimentos dele, seja no role play ou apenas em seus atos.

6. Dê a ele o mesmo objetivo do jogador

Se o antagonista não representar uma ameaça direta ao jogador, ou a algo ao seu redor, eles vão se sentir menos motivados, mas não coloque seu vilão atrás dos jogadores simplesmente por vingança ou competitividade. Por exemplo, se os jogadores foram contratados por uma escola de magos para recuperar um artefato poderoso, o antagonista também está atrás desse artefato, porém quer entregá-lo para um ser feérico maligno, em troca da proteção de sua tribo que tem sido constantemente atacada pelos avanços de um reino próximo.

Os jogadores sabem que a entidade é maligna e que o artefato é poderoso, colocando em risco não só a cidade, talvez o reino inteiro, mas o antagonista é mal por isso? Ou ele está fazendo apenas o que precisa ser feito para proteger seu povo? Pense nesse exemplo, e em como fazer isso funcionar.

Você pode criar um antagonista profundo e dinâmico agora, crie a ficha e o background dele como se você fosse jogar com o personagem, dedique tempo a ele, não faça dele o Boss final da missão e sim a mente por trás de tudo, que não só destrói, mas principalmente que manipula e conquista, isso fará com que os jogadores aguardem ansiosamente pela luta com ele.

No nosso e-book tem mais dicas estruturais na hora de montar um NPC Memorável, seguindo os passos do e-book e dessa matéria, nenhum jogador vai esquecer o vilão que você criou, e ele será motivo de conversa durante um bom tempo. Espero que tenha gostado dessa matéria mestre, deixe nos comentários o que achou e se quiser acrescentar algo para os outros mestres, fique a vontade, vamos nos unir e montar mesas épicas!

 

Por hoje é isso, ja deixa nos comentários como vai ser o background do seu Vilão e vamos expandir o conteúdo.

Se você quer saber como montar uma campanha para sua mesa, unindo várias missões CLIQUE AQUI e confira nossa matéria Como Criar uma Campanha de RPG.

Comente Aqui

comments

rpgmaisbarato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *